Contato:

Contato:

Seguidores

sábado, 16 de junho de 2012

Plágio

Amigas queridas hoje venho falar com vocês,sobre um assunto que vem atormentando muitas amigas no Facebook,que é o Plágio as amigas se esforçam fazem seus trabalhos postar suas fotos e venderem por um preço digno,e aí chega uma outra pessoa invade o seu blog ou sua página copia a sua foto e posta como se fosse dela e ainda escreve que aceita encomendas com a sua foto ahhhh isso é demais né meninas!!!!!
Então resolvi fazer essa postagem para informar todas vocês que o PLÁGIO É CRIME!!!!
Baixei um artigo, para que todas conheçam os seus direito e se quiserem que tomem as devidas providências, com relação as suas fotos e trabalhos.



PLÁGIO É CRIME !

No Código Penal Brasileiro, em vigor, no Título que trata dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual, nós nos deparamos com a previsão de crime de violação de direito autoral – artigo 184 – que traz o seguinte teor: Violar direito autoral: Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa. E os seus parágrafos 1º e 2º, consignam, respectivamente:
§1º Se a violação consistir em reprodução, por qualquer meio, com intuito de lucro, de obra intelectual, no todo ou em parte, sem autorização expressa do autor ou de quem o represente, (...): Pena – reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa, (...).
§ 2º Na mesma pena do parágrafo anterior incorre quem vende, expõe à venda, aluga, introduz no País, adquire, oculta, empresta, troca ou tem em depósito, com intuito de lucro, original ou cópia de obra intelectual, (...), produzidos ou reproduzidos com violação de direito autoral.
Discorrendo sobre essa espécie de crime, afirma MIRABETE:
A conduta típica do crime de violação de direito autoral é ofender, infringir, transgredir o direito do autor. O artigo 184 é norma penal em branco, devendo verificar-se em que se constituem os direitos autorais que, para a lei, são bens móveis (art. 3º da Lei nº. 9.610/98).1
Aquele que se propõe a produzir conhecimento sério, renovador do Direito, quer seja ele professor, pesquisador ou aluno, se obriga a respeitar os direitos autorais alheios. Vejamos o que diz a Constituição Federal vigente, em seu artigo 5º, XVII: aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras, (...). E a devida proteção legal em legislação ordinária nós a encontramos na Lei nº. 9.610/98, mais precisamente nos seus artigos 7º, 22, 24, I, II e III, e 29, I.
Mas, se a própria Lei acima citada, nos informa, no seu artigo 46, III, que não se constitui ofensa aos mencionados direitos, à citação em livros, jornais, revistas ou em qualquer outro meio de comunicação, de trechos de qualquer obra, desde que sejam indicados o nome do autor e a proveniência da obra, aonde constataremos a incidência dessa contrafação (reprodução não autorizada) tão grave, especificamente entendida na sua forma conhecida como PLÁGIO? Exatamente no modo como o plagiário se apossa do trabalho intelectual produzido por outrem.
O plagiário recorre dolosamente aos expedientes mais sutis, porém não menos recrimináveis, e não relutam em fazer inserções, alterações, enxertos nas idéias e nos pensamentos alheios, muitas vezes apenas modificando algumas palavras, a construção das frases, a fim de ludibriar intencionalmente e assim prejudicar, de forma covarde, o trabalho original de alguém e ofendendo os direitos morais do seu verdadeiro autor.
Agindo desse modo, o plagiário tenta iludir a um só tempo tanto ao verdadeiro autor da obra fraudada, como também a quem é dirigido o seu trabalho, inclusive a coletividade como um todo, que irá absorvê-lo. Ensina-nos COSTA NETTO, discorrendo sobre o delito de plágio:
Assim, certamente, o crime de plágio representa o tipo de usurpação intelectual mais repudiado por todos: por sua malícia, sua dissimulação, por sua consciente e intencional má-fé em se apropriar – como se de sua autoria fosse – de obra intelectual (normalmente já consagrada) que sabe não ser sua (do plagiário).2
Concluindo, asseveramos que ao lado de um trabalho de pesquisa levado a efeito nos ditames das normas metodológicas cabíveis, fincado num rigor científico necessário e inafastável, deve ainda ser o mesmo revestido de uma indefectível postura ética por parte do seu autor, quer seja ele mero estudioso, professor ou aluno de graduação ou pós-graduação.
Agir com respeito perante não somente àquilo que se propõe a produzir com seriedade, mas igualmente em relação às fontes pesquisadas, às idéias consultadas, aos pensamentos, reflexões, pontos de vista, propostos em estudos e pesquisas já feitas, que recorrera para melhor ilustrar, fundamentar ou enriquecer o seu trabalho científico, é o mínimo que podemos esperar de alguém voltado para o conhecimento.
A atitude ética acompanhada da boa-fé que tanto esperamos de qualquer estudioso, aluno, professor, pesquisador, passa, necessariamente, pelo respeito ao trabalho alheio. Produzir conhecimento, sim, mas calcado na lisura e na decência, sem usurpação ou violação do produto intelectual de quem quer que seja, eis uma obrigação, um dever imposto a todo aquele que se propõe criar ou trilhar novos caminhos no mundo jurídico, através da investigação e da pesquisa científicas.
A consciência a perdurar no pesquisador sério deve advir da certeza de que o verdadeiro conhecimento precisa firmar-se – sempre – em bases éticas. E essa consciência ética lhe impõe que seja buscada e desenvolvida já nos primeiros passos da vida acadêmica. Que o aluno se habitue com a pesquisa, aprendendo a desenvolvê-la, mas sempre consciente de que não poderá se descuidar da ética. E que os professores, como estudiosos por excelência; como orientadores de pesquisas e responsáveis, direta ou indiretamente, pela iniciação científicas de seus alunos, dêem o exemplo, e venham a lembrá-los, a todo instante, do valor da ética para a produção do conhecimento.
Com os inúmeros benefícios tecnológicos do mundo moderno, sobretudo com a inserção do computador e da internet em nossas vidas, surgiram facilidades até há pouco tempo impensáveis. O pesquisador sério – aluno, estudioso ou professor - pela facilidade que tem de obter e trabalhar uma infinidade de informações disponíveis, sem sequer precisar sair de seu local de estudo, vem se beneficiado com esses avanços tecnológicos. Infelizmente, precisamos fazer uma constatação lamentável: se nos vemos beneficiados por essas comodidades, passamos, em contrapartida, a viver sob a banalização do plágio. Lamentavelmente, observamos o quanto é costumeiro se produzir conhecimento violando os direitos autorais de alguém. Vemos, pois, verdadeiros furtos intelectuais serem praticados, quase sempre de modo que gera impunidade, haja vista as dificuldades que surgem em bem caracterizarmos esses delitos.
Muitos são aqueles que não têm qualquer escrúpulo em selecionar copiar trabalhos inteiros, trechos ou pequenos textos que pertencem a outrem, diretamente em proveito próprio, ou mesmo para comercializá-los junto a terceiros, auferindo lucros à custa alheias. Assina-os como se fossem os verdadeiros autores, e pouco se importam com as conseqüências de seus atos criminosos.
Com o advento da internet, como já dissemos antes, e as extraordinárias facilidades que ela nos legou hodiernamente, essa situação se agravou, disseminando a ocorrência desses furtos virtuais. Deparamos-nos, então, com aquele plagiador que pratica a violação em proveito de si mesmo ou de outrem, sob encomenda, comercializando trabalhos acadêmicos prontos, maquiados pela leviandade de quem assim age. Mais do que um ilícito civil, uma vez que afronta direito de personalidade do autor, constitucionalmente garantido, atingindo a sua criação intelectual, nos deparamos também com um ilícito criminal gravíssimo, coberto ainda pela inteira reprovação moral a que se sujeita aquele que pratica o plágio.
Eu não dou direito a ninguém copiar o que é meu..........Não que eu seja egoísta pq eu não sou,muito pelo contrário quem me conhece sabe sou generosa até demais,mais não aceito que postem minhas fotos a não ser as que eu posto com gráfico aqui no blog para dividir com vocês,se eu ver alguma foto minha ou videos que eu venha a postar de minha autoria pela net,tomei as devidas providencias com relação a isso ok, e saibam NADA fica oculto ainda mais na internet.
(OBS)Este texto em vermelho eu retirei do site :INSTITUTO BRASILEIRO DE HIPNOLOGIA

Peço a todas vocês que denunciem 
DENUNCIAS DE PLÁGIO SOBRE HIPNOSE CONDICIONATIVA - TÉCNICAS DE CONDICIONAMENTOS MENTAL:
Escreva para contato@institutohipnologia.com.br ou pelo telefone (14) 3622 8027




8 comentários:

  1. Oi linda! Pois é... passei por isso hoje e me sinto totalmente invadida e desrespeitada. Gente sem noção mesmo!!! Afff

    Bjinhos pra vc, flor. Seu blog lindo!!! :*

    ResponderExcluir
  2. TRABALHAMOS,COM AMOR DEDICAÇAO.
    FAZENDO NOSSO ARTESANTO(NO MEU CASO CROCHÊ)
    MAS MUITOS TRABALHAM COM OUTRAS ARTES
    QUE TBM SOFREM ESSE TIPO DE COISA
    JA NAO PODEMOS MAIS ACEITAR!
    ISSO É CRIME E SE É CRIME TEM QUE SER DENUNCIADO É INJUSTO O QUE ELES FAZEM
    VAMOS DENUNCIAR,COMBATE-LOS TALVEZ NAO CONSIGAMOS MAS EVITAREMOS QUE AS PESSOAS
    FIQUEM DESATENTAS COM SEUS TRABALHOS
    QUE ISSO SIRVA DE ALERTA PARA TODAS NÓS!

    ResponderExcluir
  3. Ainda não passei por isso com meus trabalhos ou pelo menos não que eu tenha descoberto...! Mas, fico indignada com essas práticas. Há alguns dias vi que os trabalhos expostos em revista de uma pessoa famosa são, a sua grande maioria, de revistas antigas importadas... Fiquei tanto decepcionada como desanimada. Como pode isso acontecer? Será que estou maluca e ninguém vê o que eu vi? Enfim, cada um com a sua consciência. Pessoas assim nunca serão completamente felizes pois não sabem o prazer que é poder criar algo completamente novo e poder dizer para si mesmo "fui eu que fiz". Amei o blog e obrigada por me deixar desabafar um pouquinho a minha indignação!!! Bjssssss

    ResponderExcluir
  4. Oie

    Eu já passei por isso algumas vezes, tinha uma moça no orkut que ainda tinha a cara de pau de dizer qu achava meus trabalhos bonitos por isso os colocava no seu "mostruario".
    Infelizmente isso acontece e muito, mas eu penso que um dia a casa cai para essas pessoas

    bjs

    ResponderExcluir
  5. Passei por isso ha pouco tempo no orkut o trabalho mais lindo que fiz estava na capa de uma comunidade com nome de outra pessoa , soltei o verbo no orkut e ate desabafei no meu blog, mas resolvi amigavelmente no fundo ela achava meus trabalhos bonitos e estava fazendo um parecido, ai ficou tudo esclarecido ,mas deu um pouco de trabalho pq tive que entrar em contato com a dona do bordado e pedir para tirar uma foto junto ,foi muito constrangedor ,mas queria provar que eu estava certa , mas agora ta tudo bem a moça em questão é uma das que mais me visita e comenta e se vocês quiserem conhecer a historia vou deixar o link , bjs passem no meu blog tem sorteio ...

    http://pontinhosdatati.blogspot.com.br/2012/04/desabafo.html

    ResponderExcluir
  6. È Débora realmente é uma coisa muito séria, ainda não aconteceu comigo,pelo menos que eu saiba, quando coloquei minhas primeiras postagens nem sabia que seria bom assinar,no entanto estão até hje sem minha assinatura, mas fiz uma parceria de registrar tudo que faço e guardo uma copia, assim qdo alguém copiar qualquer coisa tenho como provar que é meu, foi uma dica que nossa querida Katia Ribeiro passou,já vi muitas pessoas reclamando disso.
    PARABÉNS pela postagem

    ResponderExcluir
  7. adorei Débora é isso ai inspiração sim cópias não, bjs!
    dinhapontocruz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi amiga vim te visitar e te seguir! Adorei seu cantinho, achei seus trabalhos lindos! Tbm sou do Achei blog e te convido a me visitar e se gostar me siga que vou ficar muito feliz!Beijinhos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua visita deixe seu comentário ficarei muito feliz em responde-lo muitas bjks e volte sempre.

Anúncio

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.

Recebam atualizações por e-mail

Anúncio

Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.